quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Pesquisadores e professores do MHN participarão da 30ª semana de biologia da Ufal

 Por Assessoria

O Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS) realizará a 30ª Semana de Biologia (Semabio) na Universidade Federal de Alagoas (Ufal). O evento, que terá início hoje (02) e irá até sexta-feira (04), contará com diversas oficinas, palestras e minicursos, além do prêmio Gabriel Skuk de Fotografia e Ilustração Científica. Alunos puderam submeter resumos de trabalhos acadêmicos, sendo as melhores apresentações premiadas durante a Sessão Solene de encerramento do evento, na sexta-feira.

A Semabio é organizada por professores e alunos do curso de Ciências Biológicas da Ufal e este ano contará com a presença de alguns pesquisadores e professores do Museu de História Natural (MHN-UFAL) na realização de minicursos, palestras e oficinas. A semana de biologia também é uma oportunidade de praticar e aprender assuntos de uma maneira que muitas vezes não são desenvolvidos no decorrer dos cursos.


                                                                                                          
O Prof. Dr. Renato Gaban Lima, coordenador do Setor de Ornitologia do museu, ministrará uma palestra sobre “Aves de Alagoas”. Já a Biol. MSC. Selma Torquato da Silva, do Setor de Herpetologia é a responsável pelo minicurso com o tema “Serpentes neotropicais: diversidade, biologia, ecologia, conservação e espécies de interesse para a saúde pública no estado de Alagoas”.  A Biol. MSc. Anna Ludmilla da C. P. Nascimento, coordenadora do Setor de Mastozoologia, abordará em seu minicurso sobre a “Diversidade morfológica e taxonômica de marsupiais didelfídeos: uma abordagem alagoana”. O diretor técnico do museu, coordenador do Setor de Paleontologia e um dos professores organizadores do evento, Prof. Dr. Jorge Luiz Lopes da Silva, dará uma oficina sobre “Kits didáticos: modelos paleontológicos”.

 “O minicurso que vou ministrar tem a intenção de fornecer os conhecimentos básicos e estimular o interesse pelos mamíferos marsupiais, além de uma atividade prática para identificar os gêneros e espécies alagoanos.” Disse a coordenadora do Setor de Mastozoologia do museu.

Já foram encerradas as inscrições online, pois atingiram a meta de 500 inscritos. Novos interessados podem se inscrever no bloco do ICBS, local onde acontecerá o evento, dependendo da disponibilidade de vagas.


Para mais informações entrar em contato pelo e-mail: sembioufal30@gmail.com e Facebook: Facebook

  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Coleção de mamíferos do MHN/UFAL é reconhecida nacionalmente

Por Assessoria

A coleção de mamíferos do Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas (MHN/UFAL) foi reconhecida pela primeira vez pela Sociedade Brasileira de Mastozoologia (SBMz). O anúncio de reconhecimento da coleção do MHN aconteceu durante a mesa-redonda sobre coleções de mamíferos, na palestra do Dr. Pablo Gonçalves da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no dia 30 de setembro de 2015, no 8º Congresso Brasileiro de Mastozoologia (VIIICBMz).  O evento ocorreu entre os dias 28 de setembro a 02 de outubro de 2015, na cidade de João Pessoa-PB, e comemorou os 30 anos de existência da Sociedade Brasileira de Mastozoologia.

Distribuição geográfica dos acervos- Região Nordeste.
A coleção possui caráter regional e representa o Nordeste junto com as coleções da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e da Universidade Federal de Sergipe (UFS).
A coordenadora do Setor de Mastozoologia e curadora da coleção do MHN, Anna Ludmilla Nascimento, já participou de quatro edições deste congresso, sendo a terceira vez pelo museu. Ela falou sobre a importância de ter a coleção do Museu apresentada oficialmente em um congresso nacional. "O reconhecimento da coleção e a troca científica vai ser maior. Agora que as pessoas estão sabendo que existe uma coleção aqui, buscam mais e as chances de parcerias aumentam", frisou a curadora da coleção.
Durante o congresso também foi apresentado um pôster referente ao trabalho de conclusão de curso (TCC) do estagiário do setor, Leonardo Viana, graduando de ciências biológicas da Ufal. O tema do trabalho é a dieta dos marsupiais na Estação Ecológica de Murici, Alagoas. Outros trabalhos de pesquisas feitas pelo Setor de Mastozoologia foram expostos nos congressos anteriores que aconteceram em 2012 e 2014.

SOBRE A COLEÇÃO DE MASTOZOOLOGIA DO MHN-UFAL

A coleção de mamíferos do Museu de História Natural da Ufal foi criada em fevereiro de 2012, pela sua curadora, a bióloga Anna Ludmilla da C.P. Nascimento, juntamente com o início do funcionamento do Setor de Mastozoologia. O acervo possui mais de 200 espécimes de mamíferos, a maioria é de Alagoas, mas também possui animais da Bahia. A grande maioria dos exemplares são de pequenos mamíferos não-voadores (roedores e marsupiais) e voadores (morcegos).


Pequena amostra do acervo da Coleção de Mamíferos do MHN/UFAL. Foto: Assessoria.


O setor atualmente conta com três estagiários, alunos da graduação de ciências biológicas da Ufal, além da curadora.

Mais informações e contato com nossos Setores, clique aqui.



  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Artigo sobre Herbário MUFAL é publicado em edição especial de revista científica

O lançamento da edição especial da revista aconteceu no 66° Congresso Nacional de Botânica.


Graziela França
Estudante de jornalismo.


Com o intuito de atender a uma solicitação da Rede Brasileira de Herbários,  que a curadora e docente Letícia Ribes de Lima e o biólogo Carlos Jorge da Silva Correia realizaram um levantamento sobre  o Herbário Prof. Honório Monteiro do MHN-UFAL. O objetivo principal era estabelecer um panorama geral da situação das coleções botânicas brasileira. O lançamento do volume especial da revista Bioscience UNISANTA ocorreu em outubro deste ano, na cidade de Santos, São Paulo.

Capa da edição especial da revista UNISANTA Bioscience
“No caso do Herbário do MUFAL o principal objetivo é documentar a diversidade da flora nordestina, em especial, a alagoana, sendo  um depositário das coletas botânicas realizadas na região. Além disso, o Herbário é  laboratório para formação de futuros taxonomistas. “ Disse a curadora oficial do herbário, a docente Letícia Ribes de Lima.

O Herbário possui 3.334 exsicatas, das quais 2.433 são do estado de Alagoas, sendo as outras representantes de todas as regiões, e da América do Sul. As coleções foram obtidas através de pesquisas relacionadas a levantamentos florísticos, principalmente na Mata Atlântica e Caatinga.

Há um projeto, intitulado “Flora Fanerogâmica do Estado de Alagoas”, que aliado a  realização de levantamentos florísticos de remanescentes vegetacionais em Alagoas, pretende incrementar a coleção do MUFAL , já que o herbário ainda possui um acevo pequeno e pouco organizado quando se tratam de Gimnospermas, pteridófitas e carpotecas.

Exemplo de material tombado no Herbário MUFAL.

Sobre o Herbário:

O Herbário Professor Honório Monteiro está localizado no Setor de Botânica do MHN-UFAL, teve seu início no final da década de 70, como uma iniciativa da Profa. Rosário Rocha, no Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Alagoas (CCBI-UFAL).  Na década de 90 o curador do herbário do MUFAL passou a ser o Prof. Ramalho que transferiu a coleção para o Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alagoas (CECA-UFAL). Após a aposentadoria do Prof. Ramalho o acervo do MUFAL voltou a pertencer ao CCBi-UFAL . Na primeira década de 2000 o Herbário foi transferido para o Museu de História Natural da Ufal (MHN-UFAL), onde permanece até hoje.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Mestrando da UFPE realizou treinamento no MHN

Por: Assessoria

O estudante do mestrado da Universidade Federal de Pernambuco, Íkaro Mendes, realizou um treinamento no museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas (MHN-UFAL) entre os dias 03 e 06 de novembro. O Treinamento foi ministrado pelo estudante e seu colega de mestrado e pesquisador do MHN-UFAL, José Vieira Neto.

O projeto do estudante é realizado com o lagarto da espécie anolis fuscoauratus, popularmente conhecido como papa- vento. Sua pesquisa consiste em fazer a necropsia do animal, analisar a alimentação, se há algum parasita, qual tipo de reprodução e em qual fase se encontra, depois acontece o processo  de identificação e classificação.

Mestrando da UFPE realiza pesquisa com lagarto anolis foscoauratus.
Mendes também ministrou uma palestra para estudantes da graduação  de ciências biológicas, licenciatura e bacharelado, que irão desenvolver um projeto parecido com o desenvolvido pelo mestrando na UFPE. Além de poder concluir uma parte do trabalho que desenvolve em parceria com outro pesquisador do museu e também mestrando da instituição, Neto.

O estudante disse que a vontade de aprender o fez procurar o museu como um suporte para sua pesquisa e foi motivado pelo colega de mestrado, mas ele ressaltou ainda que a competência da equipe que compõe o museu o estimulou a desenvolver mais atividades aqui na cidade.

“Uma parte do meu trabalho é identificar os itens que esses animais se alimentam, e eu só consegui fazer isso agora por  causa do museu, porque já tinha um pessoal que trabalhava com isso e me auxiliou a identificar cada animal.” Enfatizou Mendes.

sexta-feira, 19 de junho de 2015

MHN aborda biodiversidade de Alagoas no CAIITE 2015

Por Assessoria




A “Biodiversidade Alagoana: conhecimento atual e perspectivas futuras” foi o tema da mesa-redonda composta por pesquisadores e professores vinculados ao Museu de História Natural (MHN) da UFAL, esta última quinta-feira (18), no Congresso Acadêmico Integrado de Inovação e Tecnologia (CAIITE).


Em uma sala lotada por universitários e pelo público em geral, foi explanado um pouco do conhecimento acerca da biodiversidade atual e pretérita de Alagoas, passando pela fauna terrestre e aquática, além da flora do Estado.

Sala cheia de estudantes, professores e público em geral. Foto: Assessoria.


“Nosso grande desafio continua sendo as lacunas de inventários e assim podemos debater um pouco sobre o assunto”, afirmou a proponente e também palestrante da mesa-redonda, Profª Drª Tamí Mott, professora da UFAL vinculada ao Setor de Herpetologia do MHN.


Além da Profª Tamí, que discorreu sobre herpetofauna (répteis e anfíbios), outros membros do MHN palestraram sobre suas especialidades, a saber: Prof. Dr. Jorge Luís Lopes, paleontologia; Profª Drª Letícia Lima, flora; Prof. Dr. Renato Gaban-Lima, ornitologia (aves) e a MSc. Anna Ludmilla Nascimento, mastofauna (mamíferos).


O ambiente aquático foi representado pela Profª Drª Nídia Fabre, abordando a ictiofauna (peixes) e o Prof. André Felipe Silva, com invertebrados marinhos, ambos professores do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde (ICBS) da Universidade Federal de Alagoas.



Da esquerda para direita, os membros da mesa redonda “Biodiversidade Alagoana:  conhecimento atual e perspectivas futuras” debatendo: Prof. Dr. Renato Gaban-Lima, Profª Drª Letícia Lima, Prof. Dr. Jorge Luís Lopes, MSc. Anna Ludmilla Nascimento, Prof. André Felipe Silva, Profª Drª Nídia Fabre e Profª Drª Tamí Mott. Foto: Assessoria.
 
“Foi uma mesa ‘grande’, com muitos palestrantes e muita informação a ser debatida. É muito gratificante ver a sala cheia até o final, pois mostra que os estudantes estão interessados”, comentou a bióloga Ludmilla Nascimento, última dos sete palestrantes.

·     
Biota AL

Durante o evento, foi discutida a criação de um projeto chamado BIOTA AL, que seria baseado no que já tem sido realizado em outros Estados brasileiros, como São Paulo e Mato Grosso do Sul. 


“O principal objetivo do projeto seria levantar e analisar a biodiversidade do Estado de Alagoas, de maneira interdisciplinar, gerando conhecimentos que irão subsidiar ações voltadas para o meio ambiente e a sociedade”, propôs a Profª Tamí Mott.


Entusiasmados, os membros da mesa aprovaram a ideia e já começaram a discutir parcerias. “Vamos precisar submeter o projeto a órgãos financiadores de pesquisa, mas não vamos conseguir sem o apoio da Secretaria Estadual do Meio Ambiente e do IMA”, afirmou a Profª Letícia Lima.



Sobre o CAIITE
O Congresso Acadêmico Integrado de Inovação e Tecnologia (CAIITE) visa integrar pesquisadores em seus propósitos científicos e a socializar as ações de ensino, pesquisa e extensão desenvolvidas por  instituições de ensino superior de Alagoas.


Esta terceira edição do evento está sendo realizada no Centro Cultural e de Exposições Ruth Cardoso, no período de 15 a 20 de junho. Foi estabelecido como tema central “Desafios para Alagoas”. 


Veja mais em:



 

  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal

terça-feira, 28 de abril de 2015

O Museu de História Natural comemora 25 anos com exposição itinerante

Mostra ficará no hall da Biblioteca Central de 7 a 29 de maio

Por Assessoria

O Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas (MHN/Ufal) estará completando 25 anos de existência no próximo mês de maio. Para registrar esta data significativa, o órgão promoverá a Exposição Itinerante “Museu de História Natural: 25 anos”. O evento ocorrerá no hall da Biblioteca Central (BC) no Campus A.C. Simões, no período de 7 a 29 de maio.

Serão expostas mostras de animais, plantas, rochas e fósseis que representam os ecossistemas alagoanos. A abertura será na próxima quinta-feira (7), a partir das 16h, no Auditório da BC.

Arte: Ascom/Ufal

A Exposição “Museu de História Natural: 25 anos” funcionará de segunda à sexta, no horário das 9h às 17h. A programação do evento contará com duas palestras por semana, as quais serão ofertadas no mesmo auditório, todas às 15h30. Confira abaixo o cronograma de palestras:

Dia 8 (sexta-feira): “O papel do MHN/Ufal para a Herpetologia no Estado de Alagoas”
Dia 13 (quarta-feira): “Setor de Geologia e Paleontologia do Museu de História Natural”
Dia 14 (quinta-feira): “Setor de Arqueologia do Museu de História Natural”
Dia 20 (quarta-feira): “Setor de Ecologia do Museu de História Natural”
Dia 21 (quinta-feira): “Setor de Ornitologia do Museu de História Natural”
Dia 27 (quarta-feira): “Setor de Botânica e a coleção Herbário do Museu de História Natural”
Dia 28 (quinta-feira): “A importância da coleção de mamíferos do MHN/Ufal para o Estado de Alagoas”

O Museu
O MHN/Ufal é um órgão suplementar ligado à Pró-Reitoria de Extensão (PROEX/Ufal) e tem como atribuições a Pesquisa e a Extensão.

Desde a sua criação, desenvolve estudos nos ecossistemas locais e em outros Estados, valorizando também o conhecimento das populações tradicionais sobre o uso dos recursos naturais do estado.

Mais informações
Telefone: (82) 3214-1629
E-mail: mhnufal@gmail.com
Facebook: https://www.facebook.com/mhnufal

Leia também
Museu de História Natural leva seu acervo para o Campus A. C. Simões [http://mhnufal.blogspot.com.br/2013/09/museu-de-historia-natural-leva-seu.html]

Biblioteca Central expõe “Biodiversidade de Alagoas” até o dia 30 de setembro
[http://www.ufal.edu.br/noticias/2013/09/biblioteca-central-expoe-201cbiodiversidade-de-alagoas201d-ate-o-dia-30-de-setembro]

  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal

terça-feira, 7 de abril de 2015

O Herbário do Museu de História Natural



Por Assessoria


Herbário é uma coleção de plantas que serve como arquivo para a identificação de espécies vegetais. No Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas, essa coleção está vinculada ao Setor de Botânica. 

Atualmente sob a coordenação da Profª. Drª. Letícia Ribes de Lima e do biólogo Carlos Jorge da Silva Correia, o herbário tem como principal objetivo principal documentar a diversidade da flora alagoana.

Profa. Letícia Ribes de Lima (esq.), curadora do Herbário e
o biólogo Carlos Correia (dir.), responsável pelo Herbário. Fotos: Divulgação.

O Herbário do MHN abriga atualmente 3332 exsicatas (veja o que é exsicata e como ela é feita clicando aqui) pertencentes a 116 famílias, 519 gêneros e 820 espécies. Os dados da coleção foram recentemente inseridos no software Brahms, permitindo um melhor acesso e manejo das informações, almeja-se em breve disponibilizar estas informações na Web. 

Apesar de ser uma pequena coleção, o herbário armazena coletas de trabalhos realizados (nas décadas de 80 e 90) em áreas de relevante biodiversidade no Estado de Alagoas, a exemplo das coletas efetuadas na Várzea da Marituba, em Xingó, em Salgema e na Serra da Barriga.

Armário do herbário ilustrando o armazenamento das exsicatas. Foto: Divulgação
A coleção serve de suporte para as pesquisas botânicas e é depositária do material testemunho dos trabalhos realizados pelos pesquisadores de Alagoas. Além disso, é utilizada como respaldo didático, como explica Letícia Lima: “Em conjunto com as demais coleções biológicas do museu, o herbário é fonte de material científico e didático para o desenvolvimento de várias pesquisas e atividades realizadas pela equipe técnica do local”, afirmou a profissional, curadora da coleção desde junho de 2013.

Exemplo de exsicata de uma bromélia. Foto: Divulgação.


Dentre as atividades desenvolvidas pelo herbário, temos o levantamento da diversidade da flora alagoana e a realização de tratamentos taxonômicos de grupos vegetais específicos. Atualmente, estão sendo desenvolvidos dois projetos. O primeiro trata da "Flora Fanerogâmica do Estado de Alagoas" e o segundo da "Caracterização florística dos remanescentes de Floresta Ombrófila Densa Atlântica de Alagoas".




As exsicatas são fundamentais, ainda, para o estudo e formação de pessoas que lidam com a diversidade vegetal, como é o caso de alguns alunos do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde na Universidade Federal de Alagoas – ICBS/UFAL.

“Ao aprenderem a lidar com esse material, eles poderão trabalhar em qualquer lugar do mundo. A coleção biológica de um herbário é um equipamento ideal para o trabalho de pesquisa. Os alunos podem ter acesso às informações da planta, a distribuição geográfica das espécies, pois tudo está etiquetado. A base da diversidade vegetal da região é um herbário, sabe-se que plantas ocorrem num Estado analisando uma boa coleção botânica, por exemplo”, acrescentou Letícia Lima.

Contatos:
Setor de Botânica
Responsável: Profª Drª Letícia Ribes de Lima
E-mail: lerilima@hotmail.com
Tel: 82 3214-1631

  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal