quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Coleção de mamíferos do MHN/UFAL é reconhecida nacionalmente

Por Assessoria

A coleção de mamíferos do Museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas (MHN/UFAL) foi reconhecida pela primeira vez pela Sociedade Brasileira de Mastozoologia (SBMz). O anúncio de reconhecimento da coleção do MHN aconteceu durante a mesa-redonda sobre coleções de mamíferos, na palestra do Dr. Pablo Gonçalves da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), no dia 30 de setembro de 2015, no 8º Congresso Brasileiro de Mastozoologia (VIIICBMz).  O evento ocorreu entre os dias 28 de setembro a 02 de outubro de 2015, na cidade de João Pessoa-PB, e comemorou os 30 anos de existência da Sociedade Brasileira de Mastozoologia.

Distribuição geográfica dos acervos- Região Nordeste.
A coleção possui caráter regional e representa o Nordeste junto com as coleções da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB) e da Universidade Federal de Sergipe (UFS).
A coordenadora do Setor de Mastozoologia e curadora da coleção do MHN, Anna Ludmilla Nascimento, já participou de quatro edições deste congresso, sendo a terceira vez pelo museu. Ela falou sobre a importância de ter a coleção do Museu apresentada oficialmente em um congresso nacional. "O reconhecimento da coleção e a troca científica vai ser maior. Agora que as pessoas estão sabendo que existe uma coleção aqui, buscam mais e as chances de parcerias aumentam", frisou a curadora da coleção.
Durante o congresso também foi apresentado um pôster referente ao trabalho de conclusão de curso (TCC) do estagiário do setor, Leonardo Viana, graduando de ciências biológicas da Ufal. O tema do trabalho é a dieta dos marsupiais na Estação Ecológica de Murici, Alagoas. Outros trabalhos de pesquisas feitas pelo Setor de Mastozoologia foram expostos nos congressos anteriores que aconteceram em 2012 e 2014.

SOBRE A COLEÇÃO DE MASTOZOOLOGIA DO MHN-UFAL

A coleção de mamíferos do Museu de História Natural da Ufal foi criada em fevereiro de 2012, pela sua curadora, a bióloga Anna Ludmilla da C.P. Nascimento, juntamente com o início do funcionamento do Setor de Mastozoologia. O acervo possui mais de 200 espécimes de mamíferos, a maioria é de Alagoas, mas também possui animais da Bahia. A grande maioria dos exemplares são de pequenos mamíferos não-voadores (roedores e marsupiais) e voadores (morcegos).


Pequena amostra do acervo da Coleção de Mamíferos do MHN/UFAL. Foto: Assessoria.


O setor atualmente conta com três estagiários, alunos da graduação de ciências biológicas da Ufal, além da curadora.

Mais informações e contato com nossos Setores, clique aqui.



  • Curta nossa página no facebook https://www.facebook.com/mhnufal
  • Siga-nos no Instagram @mhnufal


quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Artigo sobre Herbário MUFAL é publicado em edição especial de revista científica

O lançamento da edição especial da revista aconteceu no 66° Congresso Nacional de Botânica.


Graziela França
Estudante de jornalismo.


Com o intuito de atender a uma solicitação da Rede Brasileira de Herbários,  que a curadora e docente Letícia Ribes de Lima e o biólogo Carlos Jorge da Silva Correia realizaram um levantamento sobre  o Herbário Prof. Honório Monteiro do MHN-UFAL. O objetivo principal era estabelecer um panorama geral da situação das coleções botânicas brasileira. O lançamento do volume especial da revista Bioscience UNISANTA ocorreu em outubro deste ano, na cidade de Santos, São Paulo.

Capa da edição especial da revista UNISANTA Bioscience
“No caso do Herbário do MUFAL o principal objetivo é documentar a diversidade da flora nordestina, em especial, a alagoana, sendo  um depositário das coletas botânicas realizadas na região. Além disso, o Herbário é  laboratório para formação de futuros taxonomistas. “ Disse a curadora oficial do herbário, a docente Letícia Ribes de Lima.

O Herbário possui 3.334 exsicatas, das quais 2.433 são do estado de Alagoas, sendo as outras representantes de todas as regiões, e da América do Sul. As coleções foram obtidas através de pesquisas relacionadas a levantamentos florísticos, principalmente na Mata Atlântica e Caatinga.

Há um projeto, intitulado “Flora Fanerogâmica do Estado de Alagoas”, que aliado a  realização de levantamentos florísticos de remanescentes vegetacionais em Alagoas, pretende incrementar a coleção do MUFAL , já que o herbário ainda possui um acevo pequeno e pouco organizado quando se tratam de Gimnospermas, pteridófitas e carpotecas.

Exemplo de material tombado no Herbário MUFAL.

Sobre o Herbário:

O Herbário Professor Honório Monteiro está localizado no Setor de Botânica do MHN-UFAL, teve seu início no final da década de 70, como uma iniciativa da Profa. Rosário Rocha, no Centro de Ciências Biológicas da Universidade Federal de Alagoas (CCBI-UFAL).  Na década de 90 o curador do herbário do MUFAL passou a ser o Prof. Ramalho que transferiu a coleção para o Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Alagoas (CECA-UFAL). Após a aposentadoria do Prof. Ramalho o acervo do MUFAL voltou a pertencer ao CCBi-UFAL . Na primeira década de 2000 o Herbário foi transferido para o Museu de História Natural da Ufal (MHN-UFAL), onde permanece até hoje.

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Mestrando da UFPE realizou treinamento no MHN

Por: Assessoria

O estudante do mestrado da Universidade Federal de Pernambuco, Íkaro Mendes, realizou um treinamento no museu de História Natural da Universidade Federal de Alagoas (MHN-UFAL) entre os dias 03 e 06 de novembro. O Treinamento foi ministrado pelo estudante e seu colega de mestrado e pesquisador do MHN-UFAL, José Vieira Neto.

O projeto do estudante é realizado com o lagarto da espécie anolis fuscoauratus, popularmente conhecido como papa- vento. Sua pesquisa consiste em fazer a necropsia do animal, analisar a alimentação, se há algum parasita, qual tipo de reprodução e em qual fase se encontra, depois acontece o processo  de identificação e classificação.

Mestrando da UFPE realiza pesquisa com lagarto anolis foscoauratus.
Mendes também ministrou uma palestra para estudantes da graduação  de ciências biológicas, licenciatura e bacharelado, que irão desenvolver um projeto parecido com o desenvolvido pelo mestrando na UFPE. Além de poder concluir uma parte do trabalho que desenvolve em parceria com outro pesquisador do museu e também mestrando da instituição, Neto.

O estudante disse que a vontade de aprender o fez procurar o museu como um suporte para sua pesquisa e foi motivado pelo colega de mestrado, mas ele ressaltou ainda que a competência da equipe que compõe o museu o estimulou a desenvolver mais atividades aqui na cidade.

“Uma parte do meu trabalho é identificar os itens que esses animais se alimentam, e eu só consegui fazer isso agora por  causa do museu, porque já tinha um pessoal que trabalhava com isso e me auxiliou a identificar cada animal.” Enfatizou Mendes.