quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Museu de História Natural recebe visita de representantes da Proex

Objetivo foi apresentar o novo espaço à gestão e discutir o planejamento para os próximos meses

Graziela França - estudante de jornalismo


Na tarde da última segunda-feira, (22), representantes da nova gestão da Pró-reitoria de Extensão (Proex) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) fizeram uma visita ao Museu de História Natural. O objetivo da reunião era apresentar o novo espaço à gestão e discutir o planejamento do museu para os próximos meses. 
Estiveram presentes na reunião o coordenador de assuntos culturais, Ivanildo Piccoli e a coordenadora de programas de extensão, Maria Betânia Gomes, que discutiram junto à equipe do MHN a programação para 2016. Do museu, participaram pesquisadores, técnicos e bolsistas que falaram sobre as perspectivas e planos para este ano. 
O professor Renato Gaban Lima, do setor de ornitologia, ressaltou a importância da nova sede, que fica na praça da faculdade, para continuar as pesquisas com os seus bolsistas, abrir espaço para outros pesquisadores e levar o conhecimento do bioma alagoano para a população. “Alagoas tem uma biodiversidade muito grande que o próprio alagoano não conhece e o museu tem um papel relevante nestes aspectos. E pesquisa já fazemos, ensino também, agora voltaremos a extensão”, disse o professor. 
Piccoli apresentou interesse em vincular ações do MHN ao Espaço Cultural, para através da união, fortalecer os programas de extensão da Ufal. Ele também ressaltou a importância da coletividade, diálogo e coesão para a nova gestão e a pretensão de aplicar esses valores a todas as áreas da universidade. 
O professor Jorge Luiz Lopes, diretor técnico e responsável pelo setor de Paleontologia, comentou o sucesso que as exposições do MHN tiveram, sendo elas itinerantes ou na antiga sede do museu, e a vontade de toda a equipe em firmar este compromisso com a sociedade. “O Museu de História Natural cativa o público e não podemos permanecer fechados por tanto tempo, agora a ideia é abrir a exposição permanente e seguir com as exposições itinerantes”, concluiu Lopes. 
Após a conversa, os coordenadores visitaram os setores do MHN junto aos responsáveis e curadores das coleções.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

Museu de História Natural é tema de TCC de jornalismo.

O primeiro estagiário da Assessoria de Comunicação do MHN, Pedro Barros, escolheu o museu para ser tema de seu trabalho final na graduação.

Graziela França - estudante de jornalismo.
Pedro Barros na apresentação de seu TCC

O Museu de História Natural da Ufal (MHN/UFAL) foi tema de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do graduando Pedro Barros, do curso de jornalismo. Ele escolheu o museu, onde atuou por dois anos como estagiário na assessoria de comunicação (ASCOM/MHN), para ser tema do seu TCC, apresentado na última sexta-feira, 29, no bloco do Curso de Comunicação Social (COS).

O estudante que se interessou desde cedo pela área científica, conta que enxergou no jornalismo a possibilidade de unir as ciências de seu interesse - biologia, química, meteorologia, física, matemática, entre outras. Ainda no início do curso se mostrou interessado em estudar sobre jornalismo científico, e com o museu viu que poderia, de fato, fazer o que gostava.

Início no MHN

Tudo começou na 3ª Oficina de Jornalismo Científico, promovida pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Alagoas (Fapeal), onde a professora Magnólia Rejane apresentou Barros ao ex-diretor do MHN, Fábio Menezes, que promoveu a abertura do museu para comunicação e confiou ao estudante a missão de trabalhar essa área na instituição.

Então, ele implantou a assessoria do museu enquanto cursava o segundo período de jornalismo, em agosto de 2011. “Eu passei quase todo o meu estágio lá aprendendo por conta própria, fazendo meus experimentos, pesquisando na internet, lendo livros, artigos, comparando assessorias de outros museus, e perguntando a professores, profissionais.” Barros acrescentou a ajuda que recebeu de suas orientadoras, Magnólia Rejane e Andrea Moreira e da ex-coordenadora da ASCOM/UFAL, Simoneide Araújo, durante o período em que esteve no museu.

Professora Magnólia, orientadora do trabalho, e os professores Érico Abreu e Aloísio Nunes.

Sobre o TCC

O aluno analisou a imagem do MHN no portal da Ufal no período de seis anos, do 2° semestre de 2008 ao 1° semestre de 2014, isto é, antes e depois da implantação da ASCOM/MHN.  A professora Andrea Moreira da disciplina de assessoria de comunicação, iniciou a orientação do TCC, mas teve que se afastar por motivos de doença, dando continuidade à orientação  a professora Magnólia Rejane, que possui interesse em jornalismo e divulgação científicos.

No TCC, o estudante apresentou as diversas plataformas que implantou no MHN com o objetivo de melhorar a comunicação interna e externa. A elaboração de matérias sobre os setores do museu, criação e gerenciamento de redes sociais, blog e e-mail, elaboração de material gráfico e digital, clipagem e sugestão de pautas para a ASCOM/UFAL, foram algumas das contribuições prestadas pelo estagiário à instituição.

Resultados obtidos com a ASCOM/MHN

Barros concluiu que após a criação da ASCOM/MHN a produção de conteúdo sobre o museu aumentou, constatando que a comunicação não é algo supérfluo, ao contrário, é instrumento de apoio às instituições de todas as áreas.


O estudante recordou o apoio que recebeu do ex-diretor do museu, Fábio Menezes, “Eu gostaria de agradecer ao Fábio por essa oportunidade e parabenizá-lo por seu trabalho no Museu, e também por ter reconhecido o papel da comunicação. Junto com o diretor técnico, o Jorge Luiz Lopes, e uma equipe que ama o que faz, ele conseguiu ‘ressuscitar’ o MHN, porque eles nunca esqueceram o mais importante, a missão do museu, que são as pessoas, a sociedade[...] E o que mais é levar conhecimento do que comunicação?” finalizou Barros.