quarta-feira, 20 de abril de 2016

Museu de História Natural divulga programação variada e gratuita

Exposição do acervo e concurso de fotografia vão atrair visitantes para o MHN

Graziela França – estudante de Jornalismo
Museu de História Natural da Ufal fica localizado na Praça da Faculdade












No mês de maio o Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) promoverá dois eventos: A exposição permanente em comemoração aos 26 anos de existência e a 14ª Semana Nacional dos Museus. Os eventos contam com visita à exposição e aos setores, palestras e outras atividades na sede do MHN, localizada na Av. Amazonas, Prado (Praça da Faculdade).
Exposição permanente
Com o tema Alagoas: do mar ao sertão, a exposição que comemora os 26 anos do MHN terá peças do acervo de todos os setores. O objetivo é apresentar exemplares nativos, que são pesquisados e salvaguardados pela Instituição que permitam a identificação da comunidade local, além de satisfazer a curiosidade e agregar conhecimento sobre a biodiversidade alagoana.
 A exposição será inaugurada dia 9 de maio e contará com diversas palestras até o dia 13 de maio. Após isso, continuará aberta à visitação do público.
 Este primeiro evento comemora também o retorno de exposições permanentes. Com a inauguração da nova sede, é possível abrigar uma exposição pronta para receber visitas e prestar seu serviço à comunidade alagoana.
 Além de mostrar a biodiversidade alagoana, as peças escolhidas pelos responsáveis dos setores contam um pouco da história do museu. “Escolhi um animal taxidermizado, o Mazama gouazoubira [veado ou veado-catingueiro]. Em Alagoas, ocorre tanto na Mata Atlântica como na Caatinga. Também teremos o esqueleto de uma baleia, a única que temos no Museu. Ela encalhou no litoral alagoano na década de 90”, disse Ludmilla Nascimento, responsável pelo setor de mastozoologia (mamíferos).
Semana Nacional dos Museus
Com a participação garantida na 14ª Semana Nacional do Museu, o MHN apresentará programação variada do dia 16 à 22 de maio. O evento que acontece anualmente para comemorar o Dia Internacional dos Museus, comemorado em 18 de maio, destaca a importância do órgão para as atividades de pesquisa e extensão.
“É o momento do Museu de História Natural da Ufal evidenciar ainda mais o propósito de difusão do conhecimento e de interagir com a sociedade através de atividades que propaguem a missão e o compromisso com o público e a comunidade”, ressaltou a Cintia Rodrigues, museóloga do MHN.
Na semana dos eventos acontecerá também o Concurso de Fotografia e Ilustração Científica Gabriel Skuk.

terça-feira, 5 de abril de 2016

MHN participa da 3ª Bienal de Orquídeas do Nordeste

Bolsista do herbário ministrará palestra no evento que vai de 8 a 10 de abril
Na Bienal serão ministradas palestras e oficinas todos os dias das 9h às 15h, além da exposição e venda de flores ornamentais. Paralelo a Bienal das Orquídeas, acontecerá a 21ª ExpoAobal, exposição organizada a cada seis meses pela associação alagoana.
O Museu de História Natural (MHN) da Universidade Federal de Alagoas (Ufal) será representado na Bienal pelo graduando de Ciências Biológicas e bolsista do Herbário do museu, Wictor Thomas Corrêa, que ministrará uma palestra sobre taxonomia básica para orquidófilos.
O MHN conta com 12 espécies de Orquídeas no acervo de Botânica, das quais quatro são endêmicas do Estado, como é o caso da Prostechea alagoensis, orquídea encontrada apenas em Alagoas. Outra espécie importante é a Cattleya labiata, conhecida como Rainha do Sertão, esta orquídea era encontrada em toda Mata Atlântica mas foi extinta de vários estados. Alagoas é um dos estados em que ainda é possível encontrar a espécie.
Para o estudante, além de possuírem caráter terapêutico e estarem ligadas ao lazer e bem-estar, as orquídeas possuem importante função para a manutenção da biodiversidade. “Elas [as orquídeas] possuem grande importância ecológica para o meio ambiente. Existe uma ligação muito grande entre as flores, insetos e aves, elas servem de alimento assim como meio de reprodução e ciclo de vida”, enfatizou ele.
Para participar da Bienal e da Exposição, que começam na próxima sexta-feira, não é necessário fazer inscrição e a entrada é gratuita. Confira a programação na imagem em anexo.